quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A Colecção do Armindo Ferreira

O amigo e colega blogger Armindo Ferreira [do Ecos Imprevistos] abriu a Caixa de Pandora, ou melhor, uma cápsula do tempo, onde estavam encerrados as figuras sobreviventes e companheiros de brincadeiras e revistas de banda desenhada.

Vamos dar uma olhada no espólio. Começamos por algumas action figures:

No fundo da foto um grande robot electrónico, não reconheço o modelo especifico, muito semelhante a bastantes robots genéricos populares décadas atrás. Este tem a inscrição OMNI na base do pescoço, e o símbolo do átomo na cintura. Alguém reconhece o modelo?
Depois, temos a figura do He-Man dos Masters of the Universe. Pelo foto parece-me que a cabeça será de borracha e portanto das edições mais antigas. 
Em seguida, duas figuras do Universo Marvel, o patriótico Capitão América e o vilão Doctor Octopus.


Vista aérea da caixa recheada de recordações, veja mais detalhes no Ecos Imprevistos: "My stuff - caixa do passado foi aberta".
Vamos então dar uma olhada ás revistas de banda desenhada. A colecção do Armindo tem alguns exemplares bem importantes ou inovadores.


"Batman Digital Justice" (1990) edição Abril Jovem, totalmente desenhada e pintada em computador, pioneira para a época.  Também da Abril Jovem, "A Espada Selvagem de Conan" nº 29 (1987) e "As várias faces de Batman" (1989). Além de alguns números de "O Sensacional Homem-Aranha", chama a atenção o clássico "Batman: Ano Um", em duas edições: no topo a edição da Abril de 1989 e por baixo a re-edição de 2001.

Na foto seguinte, dominam as revistas de personagens da Marvel, exceptuando o "Superamigos" nº 15 (1986) e a edição portuguesa do mega-evento "A Morte do Super-Homem", que teve direito a noticia nos telejornais do mundo inteiro.
O material Marvel inclui "Heróis da TV" nº 93 (1987)"Homem Aranha" nº 2 (Editora Morumbi, a filial portuguesa da Editora Abril),  "Grandes Heróis Marvel nº 6: O Mestre do Kung Fu" [download] (1984)"Grandes Heróis Marvel nº 9: X-men e Novos Titãs" [download] (1985). "Elektra Saga" (1989) [download os 6 números da mini-série]. São visíveis ainda 2 números da mega-saga "Secret Wars" ("Guerras Secretas" pela Editora Abril entre 1986 e 1987. Veja as capas.) e o "SuperAventuras Marvel" nº 45 (1986), com a mítica capa com Wolverine e Lince Negra (Kitty Pryde) a representar a caça e extermino dos mutantes num futuro próximo, uma saga influente até aos dias de hoje em todo o Universo Marvel.

Na próxima foto, o nº 4 de "Secret Wars". E vários números históricos da DC Comics: "Batman - A Queda do Morcego" nº 1 (edição portuguesa), quando o vilão Bane parte a coluna do Batman; e dois números do evento que mudou a DC Comics no final dos anos 80: a "Crise nas Infinitas Terras", nas revistas "Super Powers" nº 5 (a morte da Supergirl, com uma capa icónica imitada dezenas de vezes) e "Super-Homem" nº 36 (a morte do Flash Barry Allen).


Continuamos agora com as revistas Marvel: o "Incrível Hulk" nº 43 (1987), o "Almanaque do Capitão América" nº 79 (1985) e "SuperAventuras Marvel" nº 44 (1986). Destaque para "Super-Homem contra Homem Aranha" (1986, publicado nos EUA em 1976!), um dos crossovers mais esperados entre os mais populares heróis da DC Comics e Marvel Comics.

Para que ficou curioso sobre a saga "Secret Wars"("Guerras Secretas") pode ler mais na análise que o Armindo faz no Ecos Imprevistos sobre alguns dos momentos marcantes dessa história:

Obrigado ao Armindo por ter compartilhado comigo e com os leitores deste estaminé a sua colecção. Visitem o blog dele, o "Ecos Imprevistos", e digam que vão da minha parte!

9 comentários:

  1. eeei, o Armindo tem aqui imensas BD's que eu tenho curiosidade de ler...
    David, sabes algum site onde se possam ler ou descarregar?

    ResponderEliminar
  2. Ena pá! Que surpresa do caraças, David!
    Espectacular.
    O artigo está bem melhor do que imaginava ser possível ficar pois até nem "desencantei" muitas mais fotos do que estas. Admirável que apartir de fotos, o montão de informações que tu descobristes (datas, factos, etc). Espantoso mesmo!
    Muito bom post!!!

    Muito obrigado pelo destaque e por tudo.
    Que artigo mesmo fixe! Well done!

    Obs: o robô era um brinquedo a pilhas comum como tantos havia, que além de andar e recuar sozinho perante obstáculos, falava... em espanhol (tinha aquelas gravações). Era fixe!
    (eu teria uns 6/7 anos - portanto já passaram cerca de 30 anos)

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Rui pela participação.
    Tenho imensas e olha que sabe bem desfolhar algumas depois de ver um superhero-movie... é uma experiência interessante.

    ResponderEliminar
  4. Olá Rui! Existem bastantes sites para sacar revistas, tenho uns links para uns quantos sites na coluna "Banda Desenhada" à direita do blogue :) uso também o fórum The Long Box.net. e depois para ler as revistas usa o programa CDisplay :D

    Obrigado Armindo, vou investigar melhor esse robot,talvez descubra a origem :D a Internet é boa para descobrir datas e detalhes, alguns ainda me lembro de cabeça, visto que também os tenho cá em casa :D

    ResponderEliminar
  5. Viva,

    OMNI LUNAR ROBOT, CHENG CHING 1989, em princípio terá alguma inscrição ou logotipo na parte interior do compartimento das pilhas. Se não tiver gravado nenhum logotipo (parecido com uma chave), deverá ser uma réplica...por exemplo da TOMI.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  6. 1989... humm, eu tive o meu antes de 1985. Talvez 82/83...

    ResponderEliminar
  7. Viva,
    Ok obrigado, e é com prazer que participo.
    Com essa informação é mais fácil... só conhecia a "versão espanhola" da Cheng Ching, mas de facto existe outro anterior... estamos sempre á aprender!
    É um MAGIC MIKE OMNI 2 Modelo B da New Bright Hong Kong com ano de fabrico 1980?, e distribuído na europa nesta versão pela Quality Toys, mais tarde foi licenciado á Cheng Ching para reedição.
    Como curiosidade, existem réplicas ou mais precisamente cópias não licenciadas da Tek Toys/Nobel Toys/Tomi/Son Ai Toys e Botoy (tudo "rapaziada" ali para os lados da Coreia/Taiwan/Singapura, num tempo em que valia tudo menos "tirar olhos") por vezes com alteração de dimensão, cores e acessórios...mas não encontrei mais nenhuma versão com falas em espanhol.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  8. O meu dizia algo assim (ainda me lembro - e vou tentar colocar em espanholês):

    "Hola! Yo soi el robot, poderoso e automatico de otra galaxia. Yo venho hacer habitar com los ninos de la Tierra. Viene brincar comigo"

    Garregava-se no botão no botão amarelo ao topo (cabeça) e ele rodava outra coisa (sons). Era o máximo!

    Ele "andava" (rodas na base), batia e mudava de direcção enquanto piscava os olhos com luzes vermelhas. As mãos davam para segurar pequenas coisas, o que era fixe e uma vez que ele se movia sozinho... dava para teatralizar a brincadeira prendendo por lá um bonecos, etc.
    eheheheh

    ResponderEliminar

Comente, deixe as suas sugestões ou perguntas aqui embaixo: